Ciclista – Que raça é esta?

A imagem de algumas dezenas de ciclistas a cair ontem dia 6, naquela que foi a 3ª etapa do Tour, inundou as redes sociais e trouxe-me à memoria uma situação que vivi.

Queda em pelotão 3ª etapa da Volta a França

Queda em pelotão 3ª etapa da Volta a França

Em 2013 estive presente no Campeonato Nacional de XCO que se realizou em Tougues-Vila do Conde, estive presente como comissário de pista, tendo ficado responsável pela seção conhecida como “Rock Garden”.

Como é normal nas secções mais perigosas, há uma equipa de socorristas destacados só para a mesma e aqui não foi excepção. Apresentaram-se ao local 3 elementos da cruz vermelha. Uma das primeiras perguntas feitas por mim, foi se já haviam colaborado numa prova de XCO. Todos me responderam que não! Socorrer futebolistas era a experiencia dos 3.

Fiz apenas uma advertência: “Só saltam para a pista para prestar auxilio, se eu der autorização. Caso contrário corremos o risco de magoar mais atletas e até mesmo vocês!”

A prova começou e assim que as categorias mais competitivas também tiveram inicio, as quedas não tardaram.

Caiam, levantavam-se agarravam na bicicleta e seguiam.

Os socorristas estavam em pânico com a violência de algumas das quedas, mas estavam também incrédulos com a forma como os atletas pareciam imunes à violência das mesmas.

-“Mas eles não se magoam?” – Pergunta-me a certa altura uma das socorristas.

-“Então não magoam? Mas são ciclistas, doi mais desistir!” – Respondi.

Ontem o mundo presenciou precisamente este sentimento, esta mentalidade, o ciclista tem algo que o distingue do comum dos mortais, a dor não é limite e desistir não é uma opção.tour de france stage 3 2015_1

tour de france stage 3 2015_4

O emaranhado de bicicleta resultante da queda na 3ª etapa da volta à França 2015

Ontem foi uma queda feia, mas feias são todas porque ninguém gosta de ver um ciclista a ir ao chão, mas aquela foi violenta, um pouco mais do que é costume, até para quem está acostumado.

Seguia o pelotão compacto, um pequeno toque na roda e cai um e todos os outros atrás. Estiveram envolvidos mais de duas dezenas de ciclistas, entre eles, o nosso Tuga Rui Costa, apesar da violência da queda apenas 5 ciclistas foram forçados a abandonar a mítica prova devido à extensão das lesões.

Laurens Tem Dam que anunciara a desistência após a queda, decidiu abandonar o carro de apoio e regressar à corrida. “Trabalhei demasiado para chegar aqui e deixar que isto me impeça de continuar” – disse ele. O atleta que ficou com um ombro deslocado e varias escoriações, pediu ao médico da equipa que lhe colocasse o ombro no sitio ainda no local e acabou por regressar ao pelotão.

Laurens Tem Dam que anunciara a desistência após a queda, decidiu abandonar o carro de apoio e regressar à corrida. “Trabalhei demasiado para chegar aqui e deixar que isto me impeça de continuar” – disse ele. O atleta que ficou com um ombro deslocado e varias escoriações, pediu ao médico da equipa que lhe colocasse o ombro no sitio ainda no local e acabou por regressar ao pelotão.

Que raça de gente é esta?

Como diz aquela frase feita que já todos vimos colados a imagens nas redes sociais: “Vais até onde a dor te permite, a partir dai, és ciclista!” 🙂

Boas pedaladas 😉

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s