Nunca ninguém fez tanto pelo ciclismo como os “Domingueiros”

Mas quantos são afinal?

Ninguém sabe!

Começam por dois ou três amigos que se juntam para dar umas voltas de bicicleta. Sacodem o pó ao charuto que tem encostado lá garagem e marcam o encontro para o domingo de manha, um ponto de encontro perto da casa de um deles e assim começam as voltas.

Não tarda deixarão de ser três. Contagiam um vizinho, um colega de trabalho, um familiar, um amigo de um amigo que na falta de serem proprietários de uma coisa (leia-se bicicleta) que dê para fazerem parte daquela alegria domingueira, correm para a primeira loja em busca de uma coisa barata.

As voltas começas a aumentar os quilómetros, de conhecidos passam a amigos e cada vez aparecem mais para pedalar a partir daquele sitio.

As bicicletas também se transformam e os primeiros “charutos” que satisfaziam as necessidades dos primeiros desafios encostam e dão lugar ao alumínio, ao carbono, aos pedais de encaixe e entra no léxico daquelas gentes uma linguagem mais técnica cheia de milímetros, gramas, cleats, andamentos, srams, shimanos e muitos outros. A Lycra passa a ser a sua segunda pele.

Alguns dos 100Norte, um grupo extinto e ao qual pertenci e que se juntava habitualmente na padrão da Légua em Matosinhos.

Alguns dos 100Norte, um grupo extinto e ao qual pertenci e que se juntava habitualmente na padrão da Légua em Matosinhos.

Poucos desaparecem tão depressa quanto aparecem, a maioria cria logotipos, nome e apesar de se manterem sempre “informais” são extremamente organizados, outros há, que deixam a clandestinidade da informalidade, tornam-se mais sérios, organizam-se sob a forma de associação, clube, ou outra coisa semelhante, arranjam uns patrocínios e a competição passa a ser a norma.

Os "Meeting Point"encontram-se regularmente em Ponte de Moreira na Maia

Os “Meeting Point”encontram-se regularmente em Ponte de Moreira na Maia

Nunca, instituição alguma fará tanto pelo ciclismo como estes grupos de amigos, “Os Domingueiros”. Estes são os verdadeiros promotores do ciclismo, estes “Inglourious Basterds” a quem ninguém reconhece gratidão.

Gostaste do artigo? Identificas-te com o tema e com o movimento? Passa no FACEBOOK e deixa-nos lá um

Like_1

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s